Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

POPULISMOS

João Gonçalves 10 Out 05

Depois da desastrada passagem de Almeida Santos por Felgueiras, durante a campanha eleitoral - parecia, aliás, que "estava morto" por encontrar Fátima Felgueiras e por ir tomar chá com ela -, e, sobretudo, depois da vitória desta, esta micro-causa continua a fazer sentido. Fátima "sugou" o eleitorado do PS ao ponto de o "prof. Campos", o candidato oficial, mal conseguir disfarçar o seu desânimo perante um "povo" que manifestamente não compreendia. O populismo é uma vertente perversa da democracia. Umas vezes resulta - Fátima, Isaltino, Valentim e outros anónimos-, outra vezes não - Ferreira Torres, Louçã e outros anónimos.

DAY AFTER

João Gonçalves 10 Out 05

1. O PS ainda não percebeu o que lhe aconteceu nas eleições de 20 de Fevereiro. Não percebeu que não ganhou a "esquerda", nem percebeu que ganhou, sim, um aliado meramente circunstancial chamado "centro". Toda a "esquerda", nesse dia, subiu, como ontem, pelo menos o PC, subiu. Um PC que subiu, aliás, "à conta" da sua bem orquestrada campanha contra o PS e contra o governo. O Bloco contou pouco nestas autárquicas, apesar de todo o folclore. Em Lisboa, na hora da despedida, Carrilho esteve quase tão mal como durante toda a campanha. Mais do que ter perdido, ele próprio acabou perdendo-se pelo caminho, encarnando a candidatura indesculpavelmente mais pífia de todas. A Jorge Coelho, o "coordenador" derrotado, teria ficado bem ter aparecido ao lado de um duplamente abandonado João Soares, em Sintra: à sua pouca sorte e à sua condição de "menino grande" que o pai não deixa "crescer".
2. O eleitorado, uma vez resolvida tranquilamente a crise governativa há cerca de seis meses, "recompôs-se" com naturalidade e sem dramas, nas autárquicas, sobretudo em redor dos chamados grandes centros urbanos e decisores. Nada, em geral, que deva perturbar a "estabilidade socrática", recomendada, entre outros, por Cavaco Silva. Nem mesmo o sucesso claro de Marques Mendes. As vitórias dos "independentes" populistas - lamentáveis e democraticamente sombrias - vêm no "pacote" democrático, pelo seu lado perverso e malsão.
3. A "esquerda" que escapou à supervisão do PS, logo em Fevereiro e ontem reforçada, veio para ficar. O pretexto vai ser a eleição presidencial que hoje começa. Há dois dias, no Diário de Notícias, Vitor Ramalho, um valente apoiante de Mário Soares, publicava um risível artigo encomiástico que deve ter feito corar de vergonha o seu candidato. Soares, no lastro do lançamento precipitado e tosco da sua recandidatura, por um lado, e do resultado das autárquicas, por outro - alguém lembrou outro dia que M. Soares pediu ao partido para "lhe ganhar" Lisboa e Sintra, pelo menos -, passa a precisar da "esquerda" como de pão para a boca. Acontece que, nem Louçã, o pregador eterno, nem Jerónimo de Sousa, o combatente feroz pelo seu "território", estão interessados na escolástica soarista. Quem sabe se Manuel Alegre não se vem a revelar mais "tentador" para esta gente do que o "fundador". Ou mesmo, sabendo de antemão que muito do seu eleitorado poderá "perder-se" para Cavaco, apostar apenas na "luta que continua" e que, pelos vistos, dá votos.
4. Voltando ao início da conversa, a "não esquerda" que votou PS para se livrar de Santana Lopes, quer basicamente duas coisas. Que o governo, em estabilidade, governe, entre o "razoavelmente" e o "bem". E que, governando, o faça com crediblidade, sem desvios paroquiais ou incontinências "familiares". O resto virá por si.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor