Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

UMA QUESTÃO DE CARÁCTER

João Gonçalves 12 Set 05

"A questão entre o PS e o dr. Manuel Alegre não me diz respeito", disse Soares. A "história" desta "questão" não é comum aos três protagonistas, Sócrates, Alegre e Soares. Mas conhecê-la é fundamental. Não tanto por ser uma "questão" política, mas por ser essencialmente uma "questão" de carácter.

O "BENEFÍCIO"

João Gonçalves 12 Set 05

Juro que não estamos mancomunados, mas, pegando neste post, não posso deixar de recordar que o PS secundou as alterações, em matéria de retirada de benefícios fiscais no âmbito dos fundos de poupança, por exemplo, no OE2005, contra a algaraviada produzida na altura, entre outros, pelo imponente sector bancário, o verdadeiro "peso-pesado" do "regime". Qualquer coisa falou mais alto aos ouvidos de Teixeira dos Santos para, em Manchester, "anunciar" que os vai repôr no Orçamento de 2006. A quem beneficia o "benefício"? Ou, dito de outra forma, por que é que Campos e Cunha, tão rapida e discretamente sonegado às funções governativas, não "servia"? Seria porventura mais "surdo" do que o seu simpático sucessor?

TRAULITEIROS E CÂNDIDOS

João Gonçalves 12 Set 05

O artigo de Cavaco Silva no Expresso - afinal, houve quem o lesse - tem suscitado algumas reacções. Uma, a mais reaccionária, surpreende-se por o homem ser capaz de escrever sobre um assunto que supostamente não deveria "dominar" e que estará reservado a iniciados, académicos, comentadores, jornalistas e a candidatos presidenciais "experimentados". Dentro desta "categoria", a indignação vai mais longe por, finalmente, o homem representar o "sistema" e, mais desavergonhadamente, o "regime". Eu ainda não tinha percebido que havia por aí generosos voluntários à espera que a eleição presidencial se transformasse num "golpe de Estado", em vez de permitir, como deve, a escolha de uma legitimidade política renovada, reformista e de ruptura democrática com um "modo" (o actual e o de Soares) como se concebe o exercício da magistratura, sem necessariamente a liquidar. Isso é coisa que tem mais a ver com o "perfil" do que com as "circunstâncias ocorrentes" ou a "lei". E Soares I e II são o melhor testemunho vivo do que estou a dizer. Aí, eu admito que muita gente não goste de Cavaco. Mas façam o favor de o "julgar" quando e por causa do que ele disser quando vier e não por causa de "fantasmas" preconceituosos e delirantes. Também foi apontado ao artigo a sua "antiguidade". Realmente, na voracidade descerebrada da "actividade política", dois anos remetem instintivamente para o museu e para a história. Medeiros Ferreira, que funda o seu apoio "estratégico" ao "novo Mário Soares" no "código genético" da democracia e no inesgotável contributo do seu candidato para "o pensamento político contemporâneo", ficou apreensivo pela circunstância de Cavaco também poder "pensar" e não se limitar prosaicamente a "fazer contas". Apesar da "idade" do texto, como salienta. Descansem, pois, os trauliteiros e os cândidos do "politicamente correcto", à "esquerda" e à "direita", que Cavaco tem efectivamente uma "existência" política que, se ele quiser, o eleitorado avaliará na altura adequada, sem necessidade de sibilas ou de intermediários duvidosos. Não o subestimem .

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor