Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

NÃO CHEGA

João Gonçalves 7 Set 05

Algum "luto" e a circunstância de ter sido militante do PSD durante mais de 20 anos, têm-me impedido de falar dele abertamente. Por causa de Barroso, primeiro, e de Santana Lopes, depois, os arquivos deste blogue estão cheios de prosa mais ou menos inútil dedicada a esse partido e ao processo de "afundamento" alegremente conduzido por aquela dupla vagamente surrealista. Apesar disso, Barroso foi considerado uma "honra nacional" e Lopes chegou a primeiro-ministro. Marques Mendes, por consequência, não herdou o PSD a que eu pertenci e em que me revia, mas antes um produto híbrido, fragilizado e envergonhado pela sua miserável história recente. Porém, o excessivo voluntarismo e a "escola" aparelhística que produziram Marques Mendes, não ajudaram nada ao exercício. Não obstante o meritório propósito da "credibilização" do partido aos olhos da opinião pública, sobretudo por causa das autárquicas, não me parece que M. Mendes seja levado a sério. Isto é duplamente grave. Em primeiro lugar, porque revela que Mendes não foi capaz de remover completamente os escombros da debandada de Barroso e do infeliz episódio Santana Lopes. Em segundo lugar, porque, perante a nação, Mendes não se mostra à altura das tarefas de um líder de oposição a um governo de maioria absoluta, com "legítimas" expectativas hegemónicas. Quando "passar" este longo ciclo eleitoral, o PSD, mesmo com uma vitória autárquica, deve repensar-se. O chefe da oposição não pode ter como interlocutor o dr. Jorge Coelho. Nem deve esperar - porque a não vai ter - qualquer "ajuda" a partir de outros órgãos de soberania. O PSD encontra-se numa inglória encruzilhada a caminho de lado nenhum. Marques Mendes é, na realidade, um homem esforçado. Mas manifestamente não chega.

SOLIDARIEDADE

João Gonçalves 7 Set 05



Da Clinton Foundation, recebi este e-mail acerca do Bush-Clinton Katrina Fund, criado para apoiar as vítimas da horrível devastação que atingiu milhares de cidadãos norte-americanos. Para ler e ajudar.

A PÁGINA 165

João Gonçalves 7 Set 05

Medeiros Ferreira, no meio do "esclarecedor" programa da D. Fátima Campos Ferreira, lembrou-se do número de uma página da "autobiografia política" de Cavaco Silva. Para o zurzir, naturalmente. Deu um palpite - 165 - e não especificou a que tomo pertencia. Eu fui espreitar. E compreendi o tropismo involuntário de Medeiros Ferreira. No 1º tomo, a página 165 refere o episódio do veto de Mário Soares à lei de licenciamento de novas estações emissoras de rádio, em Janeiro de 1987 (ao lado do governo), e a aceitação de Soares Carneiro para CEMGFA (também "com" o governo), coisas que Cavaco comenta da seguinte maneira: "com a sua [de M. Soares] habilidade política não teria dificuldade em reparar eventuais estragos na sua área natural de apoio". No 2º tomo, estamos nas vésperas das eleições que ditaram a segunda maioria absoluta e na página 165 começa a "mensagem à população no final da campanha das eleições legislativas de Outubro de 1991", intitulada "Porque luto por uma maioria". Essa maioria chegou, como sabemos, aos 50,4%. Até agora inatingível por mais ninguém. Resolvido o teor da "165", eu recomendava a M. Ferreira a leitura das páginas 403 a 457, do 2º tomo, sobre "a segunda fase da coabitação". É "este" Soares - que Cavaco conhece perfeitamente - que importa trazer para o debate em torno da eleição presidencial do ano que vem, e não o "nacional-porreirismo" que ele derramou a semana passada no Altis. Também não faria mal ao embevecido engº Sócrates dar "uma volta" por estas páginas. Eu repito: Cavaco, se vier, virá em nome da "política" e jamais por causa das "taxas cambiais" ou outros registos económico-financeiros tão diligentemente pontuados por M.Ferreira. Será que, afinal, os seus adversários têm receio que lhes "saia" um "político" em vez de um "economista"? De facto, há mais páginas para além da 165.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor