Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

A OTA CONTINUA! - 3

João Gonçalves 11 Ago 05

Mário Lino, visivelmente incomodado com as perguntas que lhe têm sido dirigidas acerca dos "estudos" sobre a OTA e o TGV, decidiu responder com um artigo no Diário Económico. Segundo Lino, a decisão de construir o novo aeroporto internacional na Ota está suportada por um estudo de impacto ambiental elaborado em 1999. Foi, então, por essa altura que "se realizaram diversas audiências públicas e sessões de trabalho, foram distribuídos milhares de folhetos informativos e enviados relatórios e informações para numerosas entidades" e que "os dados e informações estiveram à disposição para consulta na Internet do IPAMB- Instituto de Promoção Ambiental e Direcção-Geral do Ambiente, entretanto substituídos pelo Instituto do Ambiente. Terá sido "na sequência deste processo de avaliação de impacte ambiental que o XIV Governo tomou a decisão de prosseguir o desenvolvimento do processo relativo à construção do novo aeroporto". Finalmente os projectos da OTA e TGV "foram escolhidos pela sua importância, dimensão e visibilidade" e destinam-se aparentemente a combater "o clima depressivo criado no país desde 2002" e "a dúvida [criada] na sociedade portuguesa e na sua ambição e capacidade para ultrapassar as actuais dificuldades". Os responsáveis por estas aleivosias, ainda segundo o ministro, são aqueles que, com "falsidades, deturpações e demagogias", tanto têm criticado tão sublime opção. Em matéria de "demagogias", estamos conversados com Lino depois deste artigo. Vir falar num "estudo de impacto ambiental", de 1999, como o grande suporte para estas aventuras, é politicamente pobre e cai "ao lado" do essencial. Apesar desta prosa infantil e retorcida, Mário Lino não consegue explicar a indispensabilidade da construção de um novo aeroporto, quer em termos de estratégia do nosso crescimento económico, quer em termos puramente "promocionais" para o país ou mesmo em sede de "ganhos" da célebre competitividade. Não se fazem obras deste teor para resolver problemas "psicológicos" ou como "terapia de grupo" contra a "depressão nacional". Para isso já tivemos a Expo, o Euro 2004 e as Polis tão caras ao eng. Sócrates. Nenhuma dessas fantasias resolveu nada. A depressão, como a loucura, continua.

"SEXO, EMULE E BENFICA"

João Gonçalves 11 Ago 05

Este país aborrece. Esta gente aborrece. Estes poderes aborrecem. A nossa "cultura" aborrece. Veja-se esta "pérola". Olhando para dentro dos nossos pequenos vícios, a Marktest foi ver o que fazia um país aborrecido na internet, durante o primeiro semestre do ano (fonte: Expresso online). Por ordem decrescente em termos de número de "buscas" efectuadas por palavra, verifica-se que o cibernauta luso - ansioso e deprimido depois da "euforia" do Euro 2004 - introduziu 131 mil vezes o termo "sexo", 93 mil o termo "emule" -um "software" de partilha de ficheiros -, 91 mil, "Benfica", seguindo-se no "top ten" das palavras mais "procuradas", os termos "mulheres", "dgci", "messenger", "irs", "sapo", "msn" e "jogos". Já em matéria de "personalidades" portuguesas, Isabel Figueira (quem é?) é o nome que recolhe mais "buscas" e a "expressão" "porto" foi mais procurada na net do que "lisboa". Parece que, afinal, o "Deus, Pátria e Família" do dr. Salazar e do Cardeal Cerejeira, na versão do "plano tecnológico" para "ligar Portugal" no século XXI, deu em "sexo, emule e benfica", uma bem democrática e "popular" visão da "modernidade" distinguida pelos indígenas mais sofisticados. O governo quer, com credulidade e voluntarismo optimista, "mudar". Este, todos os outros que o antecederam e os mais que virão. Porém, quando se governa uma raça destas, esperam mudar o quê?

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor