Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

SÓ AGORA...

João Gonçalves 19 Jun 05

... é que o inefável optimista que é o Prof. Marcelo reparou que a nossa sociedade vive uma espécie de "arrastão moral". Há um ano atrás, por esta altura, não houve palonço que não pusesse uma bandeira à janela ou no automóvel, justamente a mando do dito Prof. Marcelo. O futebol ia salvar-nos. Não nos salvou de coisa alguma. Já nessa altura havia "arrastão moral", como aliás subsiste de há anos e anos para cá, nas mais diversas áreas. Marcelo acha que qualquer dia não se pode acreditar em nada. O grave não é ele dizer isto. Grave é ele ainda acreditar.

LER...

João Gonçalves 19 Jun 05

... no Público de domingo, sem link, o notável artigo de Mário Mesquita, Apologia do Herói Imperfeito.

A vasta mobilização desencadeada pela morte de Cunhal, além de significar o peso da sua influência política e ideológica, a homenagem à sua luta contra a ditadura, o respeito pelo modelo de fidelidade aos seus ideais, indica igualmente o apreço de muitos portugueses por uma referência segura, nesta sociedade portuguesa algo desorientada, aparentemente condenada à gestão política baça, sem horizontes de esperança, com a esquerda democrática resignada a substituir os políticos pelos "guarda-livros".

OS CEM DIAS E O TEMOR SEM ROSTO

João Gonçalves 19 Jun 05

O fim de semana não correu bem a José Sócrates, um primeiro-ministro que comemora os seus inaugurais cem dias. Tudo começou na longa noite de sexta-feira em Bruxelas. A emergência de Tony Blair, o fracasso das negociações orçamentais e a clara derrota do "eixo" ao qual Portugal estava ancorado por causa da sua teimosia em relação à aprovação do Tratado Constitucional Europeu, marcaram a sua infeliz conferência de imprensa que passou praticamente despercebida. Ao falar na madrugada de sábado, Sócrates deu a ideia - talvez deliberada - de que o "acordo" a que se tinha chegado em matéria financeira, na quinta-feira, era bom para o país. Ou seja, até parecia que o dito "acordo" estava já em vigor, quando, na realidade, não passou de wishful thinking por causa do veio a seguir. Dito de outra forma: Portugal veio de Bruxelas com uma mão atrás e outra à frente. Mais realista, foi essencialmente isto que Campos e Cunha transmitiu aos deputados do PS no Algarve: Portugal perdeu. Depois, neste mesmo Algarve, e perante os mesmos deputados, Sócrates foi falar em "moralidade" para justificar as "medidas" que afectam os detentores de cargos políticos. A inovocação da "moral" no seio da política costuma ser desastrosa para além de ser populista. E mesmo sendo populista, é duvidoso que produza grande efeito atendendo ao grau de irritação e de incómodo crescentes que outras "medidas" anunciadas estão a provocar em determinados sectores. Não vale nunca a pena tapar o sol da política com a peneira da "moralidade". Ninguém acredita. Nem sequer os seus próprios deputados, seguramente. José Gil, num texto complexo mas certeiro, ensaiava, na Visão desta semana, uma explicação para o sentimento, algures entre a simpatia e a perplexidade, que o governo de José Sócrates nos deixa em apenas cem dias. São dele as palavras seguintes, registadas sem mais comentários.

Um aspecto do Governo a quem os portugueses deram a maioria absoluta, supreende: é um governo sem imagem. O seu primeiro-ministro é sem imagem; o ministro que mais aparece nos media, o ministro das Finanças, não tem imagem. Os que tendem a afirmar uma personalidade mais singular, são logo remetidos para o silêncio. Para começar, essas características correspondem adequadamente ao momento crítico que a sociedade atravessa. A crise ameaça transformar-se em caos, as pessoas esperam, num temor sem rosto. E a oposição também não o tem.


Não se trata de um estilo de governação. Porque nenhum traço é verdadeiramente marcante. Por agora, parece apenas uma estratégia para atenuar a crise nos espíritos, não agudizar, não criar ruído, ao mesmo tempo que se criam ondas. Estratégia de neutralização da angústia da população e de esvaziamento dos media, que a amplificam. Repare-se: não há um discurso legitimador das medidas já tomadas - as justificações (em nome da "justiça para todos", da moralidade na prática política) são pontuais, a propósito de derrapagens demasiado evidentes. Nada de grandes valores, de grandes posições ideológicas, nem sequer de traços gerais de metodologias da acção (...) Como se se quisesse criar a ideia de uma necessidade natural, técnica, absoluta, desta política, sem alternativa possível, necessidade que se justificaria pela própria natureza da crise.


A imagem do Governo não afirma nem a tecnocracia, nem o humanismo, nem o socialismo, nem o neoliberalismo. Quer-se mudar Portugal. abrindo um espaço para a acção. Porém, este período não pode durar sempre. A ausência de imagem não será sempre eficaz, como é o caso. Virá o momento em que o primeiro-ministro e o Governo terão de produzir uma imagem (mesmo inovadora) decifrável da sua política, sob pena de incorrer nos mais variados riscos, o menor dos quais não é o de governar contra o povo.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor