Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

UMA BOA PERGUNTA...

João Gonçalves 14 Mai 05

...aqui. Amanhã tratamos deste assunto.

A ESPIRAL

João Gonçalves 14 Mai 05

A semana passada, o "painel" de "popularidade" dos políticos no activo do jornal Expresso, revelava que os portugueses se tinham aparentemente reconciliado com eles, todos. Não houve comentador oficioso que não desse graças por tamanha felicidade. Parecia que a remoção de Santana Lopes tinha operado um milagre e reconciliado a pátria com a política. O sossego, porém, não durou três dias úteis. A sublime aliança da comunicação social com a investigação criminal deu cabo dele num abrir e fechar de olhos. De dia para dia surgem cada vez mais políticos com a honra perdida por detrás de um sobreiro abatido. Até agora só os marginais PC e BE escapam. Não enxergo razões para tanta agitação. De há muito se sabia que as fronteiras entre as secções partidárias, os escritórios de advocacia e as empresas de serviços, designadamente financeiros, ou da construção civil, eram ténues. Era cada vez mais díficil entender onde acabavam umas e começavam os outros. Como esta promiscuidade é genuinamente democrática - toca praticamente a todos -, o mais natural é que a montanha venha a parir um rato. Para além disso, convém sempre recordar, toda a gente é inocente até prova em contrário. O pior, contudo, são os "sinais". Neste contexto, não vale a pena voltar à contabilidade, como propôs o ministro das Finanças. As crianças deprimidas tendem a comer mais chocolates. As "famílias", desconfiadas e razoavelmente fartas destes "sinais", "vingam-se" no consumo. Infernal como sempre, a espiral está de volta.

OS DONOS DA BOLA

João Gonçalves 14 Mai 05

Os mesmos labregos que ainda há meia dúzia de anos bajulavam Vale e Azevedo, decidiram agora, em assembleia "geral", expulsá-lo. Eu não conheço o senhor de lado nenhum. Sempre o achei manhoso e, como tal, adequado para a função para a qual o elegeram. Esta gente da bola está toda muito bem uma para a outra, na sua "esperteza" clubística. Acontece que a circunstância de o homem ter caído em desgraça, essencialmente às suas próprias mãos, não justifica tudo. A memória dos "sócios" é tão curta como as suas inteligências. A "futebolização" da vida pública portuguesa tem destas coisas e é o que mais convém para manter a canzoada entretida e, sobretudo, distraída. Vale e Azevedo, em dada altura, pairou soberano sobre esta miséria e serviu-se dela, à semelhança dos "colegas" dos outros clubes que aparentemente têm tido mais sorte do que ele. A canalha, porém, não conhece dono. Vale e Azevedo, na sua ambiguidade calculada, limitou-se a ser um primus inter pares. Eles são Vale e Azevedo e Vale e Azevedo é o que eles são.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor