Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

SERVE-SE FRIA?

João Gonçalves 11 Mai 05

Quase três anos depois do "processo Casa Pia", a "justiça" volta a servir-se fria à hora dos telejornais?

O CHARRO DA CELEBRIDADE

João Gonçalves 11 Mai 05

O sr. Ivo Ferreira, uma luminária do "jovem cinema português", chegou são e salvo à pátria. A pátria, nas pessoas do Chefe do Estado, do MNE e de um ex-chefe da diplomacia portuguesa, comoveu-se deveras com o charro fumado e punido no Dubai. As televisões oficiaram em conformidade. Em Nicósia, um outro moçinho, aparentemente sem ligações à fulgurante cinematografia portuguesa, foi apanhado com quatro quilinhos de droga, uma coisa notoriamente irrelevante. Este brilhante exemplo luso recomenda, em nome do princípio da igualdade, que a pátria, por pessoas de relevância nunca inferior às citadas, mande alguém resgatar a criatura. Eu próprio, na próxima viagem ao chamado "terceiro mundo", vou tentar a minha sorte com o charro. E não aceito menos que D. José Policarpo ou o Duque de Bragança para me ir buscar.

DEIXA-ME RIR

João Gonçalves 11 Mai 05


A chamada vida material conduz-nos muitas vezes ao confronto com o absurdo. Em Setembro passado, por motivos profissionais, estive numa das mais deprimentes repartições de finanças de Lisboa, para os lados de Alvalade. Apesar dos esforços que empreendi, dentro das minhas limitadas possibilidades, presumo que os funcionários e os contribuintes continuam a ter que frequentar o mesmo local e nas mesmas condições de há nove meses. Desta vez calhou-me a repartição de Odivelas, uma "cidade afavelada" nos arredores de Lisboa. O dito "serviço público" encontra-se escondido num beco sem saída e com uma entrada que mais parece uma traseira de um armazém. Aliás, explicaram-me, ali esteve acomodada... uma fábrica de "pickles". Como se pode constatar, é, sem dúvida, o edifício mais adequado para pessoas trabalharem com papéis e com as "novas tecnologias de informação" (consegui escrever estas quatro palavras sem me rir) e para outras serem recebidas. Da acumulação de gente pelas escadas - aquilo possui dois ou três pisos - nem vale a pena falar. Das condições de atendimento e da privacidade desse atendimento, ainda menos. À semelhança do que acontecia em Alvalade, também em Odivelas o ambiente é insuportável, irrespirável e deprimente. O ar condicionado tipicamente não funciona. Nem sequer me preocupei em pedir o livro de reclamações. Não vale a pena. O Estado devia ser o primeiro a dar exemplos de cidadania. É quase sempre o último ou, quando muito, fá-lo nas piores condições. Eu há muito que desisti deste país e, por consequência, tendo a levar muito pouca coisa a sério e quase nada me impressiona. Contudo, acho lamentável que concidadãos meus, por dever de ofício, tenham que conviver diariamente com este inferno em pleno século XXI. A vida é demasiado curta para não ser vivida com qualidade. E a maior parte de nós passa grande parte dessa vida a trabalhar em circunstâncias deploráveis. Jamais estaremos perto - já não digo do norte da Europa para não ruborizar de vergonha - dos nossos parceiros comunitários. Em compensação e com exemplos destes, estamos bem mais próximos de um qualquer posto oficial do Marrocos profundo. Como escrevi na primeira ocasião, "só um "sentido de serviço" arrancado não sei bem a que profundezas das almas daquelas criaturas [dos funcionários] permite aguentar tamanho opróbrio". E questionei-me: "Sinceramente, é possível continuar com as bravatas demagógicas da "produtividade", da "melhoria de desempenho" e dos "indicadores" quando não se consegue instalar decentemente umas dezenas de pessoas nos respectivos postos de trabalho? Para quê continuar a acenar aos distraídos e aos ingénuos com a "reforma do Estado" se, numa coisa simples como ter um lugar equilibrado para trabalhar e atender gente, quase se sufoca todo o santo ano, ao ponto dos de fora lamentarem os de dentro? Isto é que é "modernizar a administração pública ao serviço dos cidadãos"? Ou os "cidadãos" que servem na administração pública são menos "cidadãos"? Este episódio da vida material é apenas mais um retrato da mesma miséria e da velha falácia". Prósperos? Modernos? Europeus? Civilizados? Deixa-me rir.

DUAS IDEIAS

João Gonçalves 11 Mai 05

Uma é boa. É de todo o interesse difundir e cimentar na sociedade portuguesa uma ideia-chave: a de que os problemas económicos que o país enfrenta só podem ser ultrapassados através do aumento da capacidade competitiva das empresas no plano internacional. E seria conveniente apagar uma outra ideia que, embora errada, está ainda presente nalguns sectores da sociedade: a de que é possível resolver os problemas nacionais pela via de mais despesas do Estado. Excerto de um artigo de Cavaco Silva, publicado no Público sob o título A Ideia-Chave (sem link) . A outra é má e também está no Público. O ministro das Obras Públicas prometeu mobilizar o sector da construção com o lançamento de "grandes e urgentes" projectos de investimento público, como o do novo aeroporto e o da rede ferroviária de alta velocidade (Rave).

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor