Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

LER OS OUTROS

João Gonçalves 13 Abr 05

No Blasfémias, este pequeno exemplo da nossa inquietante "modernidade" administrativa.

PALHAÇADA

João Gonçalves 13 Abr 05

Os alunos do ensino básico e secundário "cumprem" uma "jornada de luta", faltando às aulas e manifestando-se nas ruas. Entre outras reivindicações, estes pequenos monstros querem aulas de educação sexual e de planeamento familiar. Como mostram estudos recentes, a inteligência que lhes escapa acima do pescoço, concentrou-se nas respectivas "partes baixas". Os meninos e as meninas fornicam como coelhos e aparentemente desprezam o preservativo. "Jornada de luta"? Palhaçada...

PERIPÉCIA

João Gonçalves 13 Abr 05

Calhou-me assistir a parte de um "seminário" da DGCI sobre "fiscalidade" e assuntos conexos. Escolhi os palestrantes dos assuntos conexos. Eduardo Catroga falou da economia portuguesa e explicou por que é que vamos continuar a "borregar" durante pelo menos mais dois anos. Saldanha Sanches, que tem sempre graça mesmo quando é "técnico", falou do "direito à audição" dos contribuintes no quadro do praticamente "todo poderoso" Estado tributário. Pelo meio, apareceu a dra. Maria Eduarda Azevedo para falar do "tratado constitucional europeu". A dra. Azevedo exerce presentemente as funções de "investigadora-jurista" (designação extraordinária!) no Centro de Estudos Fiscais. Este Centro pertence ao Ministério das Finanças e é uma espécie de oráculo constituído por uns quantos "sábios" juristas e economistas que, como o nome indica, "estudam" e publicam na área fiscal e financeira. Antes de se dedicar à "investigação", a dra. Azevedo foi secretária de Estado do dr. Barroso e - parece-me - ornamentou uma comissão política do PSD. Representou também o país - via, presumo, PSD - na Convenção do sr. Giscard d' Estaing que preparou o tratado constitucional, assinado, no Verão, em Roma. Para além de só ter sido capaz de apresentar uma cronologia maçadora e inócua dos passos que conduziram à Constituição, a dra. Azevedo, em nenhum momento, esclareceu a plateia acerca do essencial. E o essencial consistia em explicar sinteticamente em que medida este Tratado constitucional é relevante para as nossas vidas e, consequentemente, por que é que deve ser votada favoravelmente a "Constituição Europeia" em referendo. Depois de ouvir a errática exposição da dra. Azevedo, percebi por que é que o "não" avança delicadamente. Como ela, há na Europa dezenas de "dras. Azevedo" que, enredadas na sua burocratice cinzento-comunitária e no jargão que se consome diariamente nos corredores da Comissão do dr. Barroso, não conseguem "comunicar" com os cidadãos a quem primariamente a sua frenética actividade "legislativa" se dirige. Note-se que a plateia que ouvia a dra. Azevedo era exclusivamente constituída por licenciados e quadros superiores e dirigentes da administração fiscal portuguesa, e um intruso. Suspeito que, se no final da prédica se fizesse ali mesmo um "referendo", a senhora e a "sua" Constituição chumbariam inapelavelmente. Se as "sessões de esclarecimento unitárias" que se preparam para o referendo em Outubro estiverem a este nível, bem podem o dr. Sampaio, o eng. º Sócrates e o dr. Marques Mendes esperar o pior. Maria Eduarda Azevedo, a "investigadora-jurista", falou do tema como se estivesse numa reportagem sobre uma peripécia para a revista Caras, nunca esquecendo o lado "charmeur" (sic) de Giscard d'Estaing. Infelizmente, ela, e muitos como ela, raramente percebem para quem é que estão a falar ou então julgam que os cidadãos europeus são todos parvos. Como tal, a peripécia da Constituição Europeia arrisca-se a não passar disso mesmo, de uma vaga peripécia, sobretudo após o referendo de Maio próximo em França. Depois não se queixem.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor