Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

UMA DAS...

João Gonçalves 13 Mar 05

... qualidades que reconheço em José Sócrates é o seu delicioso mau-feitio. Depois dos "bonzinhos" e dos "melosos", sabe bem este lance enxuto. "Cavaquista", por assim dizer.

SEXO E A CIDADE

João Gonçalves 13 Mar 05

1. O primeiro-ministro começou bem. Em vez das habituais vacuidades proclamatórias, Sócrates foi aconselhado a deixar logo "preto no branco" duas "medidas". Uma - a dos medicamentos - irritou sumariamente a corporação farmacêutica. Um bom sinal. A outra - coincidência do referendo à constituição europeia com as autárquicas - é, no mínimo, sensata, isto se o "regime" não quiser passar por mais um vexame. Também a "forma" ajudou. A rapidez e a discrição da posse parecem indiciar um novo estilo anti-espectáculo o qual, nem por isso, deixa de ser menos mediático.
2. Até Jorge Sampaio se conteve, contrariamente ao que tinha acontecido no "dia internacional da mulher". De facto, soube pelo País Relativo que Sua Excelência disse esta coisa extraordinária: "não é justo nem razoável que persistam enviesamentos masculinocêntricos tão acentuados na selecção das questões políticas agendáveis". Esta "tirada" deve ter caído no goto das "mulheres socialistas", raivosas com o desprezo a que Sócrates as votou na constituição do governo. Sócrates decidiu não considerar as "mulheres" como uma "questão política agendável" e demonstrou um preocupante "enviesamento masculinocêntrico". Ou seja, não foi "politicamente correcto". Também aqui esteve bem. A política não deve ter sexo. Alguém que a ela é chamado não o deve ser por ser homem, mulher ou hermafrodita. Deve-o ser apenas porque serve ou não serve, porque é competente ou não é e porque tem alguma densidade ou não tem. Nem a piloca nem as maminhas são para aqui chamadas. Só mesmo a cabeça.

HORIZONTE TÂNGER

João Gonçalves 13 Mar 05

Quando preciso de me esquecer do absurdo da minha vida, "viajo" para Marrocos pela mão de Paul Bowles. Imagino uma casa em Tânger onde o meu olhar possa cruzar o mar, o porto e as montanhas de Espanha. Fujo da "marginal" povoada por prédios incaracterísticos e "modernos" e não largo o bulício anónimo das ruas e dos cafés da velha cidade. Há um cheiro de essências e de pó que nos acompanha permanentemente em Marrocos. Existe uma cor ocre por todo o lado e a gentileza curiosa dos muçulmanos faz com que se sinta que nunca deixámos de ali estar. É fundamental perdermo-nos nessa deliciosa confusão. Perdermo-nos e não voltarmos nunca mais.

Paul Bowles no deserto:"Lá não há nada além do vazio e é isso a beleza, o vazio."

"A vida para mim é solidão. Não conheço ninguém."

"Uma pessoa está sempre a mudar e nunca chega a parte nenhuma. Mas chegar a algum lado também não é necessário. Morrer, sim. Tudo o que é inevitável é necessário."

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor