Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

NÃO HÁ PACHORRA...

João Gonçalves 18 Fev 05

... para este.

O LIMBO

João Gonçalves 18 Fev 05

Sejamos claros, como diria o Paulo Gorjão. Ninguém com dois dedos de testa acha que esta campanha serviu para alguma coisa. Espremam-se os debates, os relatos dos comícios, as reportagens das televisões, as intervenções dos candidatos e as dos curiosos e veja-se como nada sobra ou muito pouco. Apesar de se tratar de eleições de deputados, alguém consegue reter o nome de um cabeça de lista, salvo os óbvios? Então dos que vêm a seguir ao cabeça de lista é melhor nem sequer falar. Isto é parcialmente explicável pelas circunstâncias em que a eleição foi convocada. Mais do que discutir o "futuro", a "mudança" ou a "ambição", o importante era, e é, remover Santana Lopes. Por isso o PS chega ao fim da jornada como que num limbo, e é nesse limbo que entrará no governo daqui a umas semanas. No fundo - e é o que todas as sondagens revelam - o que o país quer mesmo é que Santana Lopes e Paulo Portas se vão embora. Pelo menos é o que eu quero. Isto não se traduz automaticamente em "confiança" cega ou semi-cega no PS ou em José Sócrates. O que lhe dá uma enorme responsabilidade. Quando descer do limbo à realidade, Sócrates estará prisioneiro da velha evidência de que a vida é infinitamente mais rica do que a imaginação. Nunca o PS teve a votação que terá no domingo, e nunca o PS terá tanto trabalho duro pela frente, tanto mais exigível quanto maior for a "maioria". O país não está em condições de dar um segundo de tranquilidade a Sócrates, e ele sabe disso. Até agora, o PS cavalgou mais ou menos tranquilamente o nosso "não-querer-Santana-Lopes-e-Portas". A seguir, Sócrates terá que dar provas da sua coragem fria para fazer outra coisa. É esse o sentido do voto de muitos portugueses que normalmente não votariam no PS. Caso contrário, esse voto não fará sentido nenhum.

DAY AFTER

João Gonçalves 18 Fev 05

A única verdadeira informação que resultou da entrevista[de Santana Lopes ao Diga Lá, Excelência, na "2" e no Público] foi desleixada pelos jornalistas, que insistiram uma vez e passaram adiante, como se não lhes tivesse sido dito nada de importante. A recusa de Santana Lopes em reafirmar Cavaco Silva como o candidato do PSD, remetendo uma posição sobre essa matéria (que parece já estar pensada e preparada) para depois de 20 de Fevereiro é uma novidade e um sinal dos enormes problemas que o PSD vai defrontar depois dessa data.

Comentário: JPP tem razão. Nunca vi PSL tão "desleixado" e tão já pós-20 de Fevereiro. Se até agora é o que se vê, a partir daí começa a versão "empata" a que me referi noutra ocasião. O PSD terá que, rapidamente, pensar nisto. O Pedro Santana Lopes desta fase final de campanha e de mandato é apenas a "sombra do guerreiro" tão apregoado. Está, no entanto, dado o sinal de que pretende "ressuscitar" no day after. Aliás, já só pensa nisso.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor