Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

portugal dos pequeninos

Um blog de João Gonçalves MENU

PONTO FINAL

João Gonçalves 9 Fev 05

Sobre a "notícia", Cavaco Silva esclareceu "em discurso directo":

Trata-se de uma total invenção da parte de quem a escreveu. Não fiz qualquer declaração ou comentário sobre o processo eleitoral em curso. Embora ausente de Lisboa, tive oportunidade de transmitir o meu protesto ao director do Público. Face ao relevo que a notícia adquiriu e porque deixei claro desde o início que, dado o meu afastamento da vida partidária activa, não teria qualquer participação na campanha eleitoral, entendo quebrar o silêncio a que tenho estado remetido para reafirmar o seguinte: recuso deixar-me envolver em qualquer tipo de jogadas ou manobras eleitorais ou partidárias, não alimentarei quaisquer comentários que possam ser feitos a meu respeito, por mais absurdos que sejam, não tenciono fazer qualquer declaração política até ao dia das eleições. Ponto final.

A CULTURA E A POLÍTICA

João Gonçalves 9 Fev 05

Ler no Crítico, Interrupção, a crítica musical segue dentro de momentos.

ADIVINHE QUEM VEM JANTAR

João Gonçalves 9 Fev 05

Santana Lopes janta com "intelectuais" em Lisboa. Aceitam-se apostas.

LER

João Gonçalves 9 Fev 05

Não espero que Sócrates retire o país da mediocridade em que se atolou. Mas espero que afaste Santana e ao menos restitua à vida política um módico de normalidade. Este excerto está num artigo de Maria de Fátima Bonifácio que talvez sirva para esclarecer alguns "indecisos". Mais do que seguramente "a campanha" alguma vez conseguirá. O resto é nevoeiro, do falso que se usa em cenários cinematográficos para assustar os crédulos.

DER UNTERGANG

João Gonçalves 9 Fev 05

Eu ia "comentar" este livro que possuo numa diferente edição. Na busca de uma "capa" para colocar aqui, o Google levou-me até ao Abrupto, mais concretamente a um texto de Abril de 2004 de José Pacheco Pereira. Como seguramente eu não diria melhor, e com a vénia amigável ao seu autor, tomo a liberdade de o republicar integralmente.
BIBLIOFILIA: MUT ZUR ANGST VOR DEM NICHTS / "A CORAGEM DE DEFRONTAR O TERROR DO NADA" (HEIDEGGER)

Joachim Fest, Inside Hitler´s Bunker. The Last Days of the Third Reich, Londres, Macmillan, 2004.
Não sei quantas vezes li descrições dos últimos momentos de Hitler no seu bunker berlinense, mas o próprio facto de ter acabado de ler mais uma mostra o fascínio que esses momentos têm. Não sou só eu, é uma multidão de pessoas que esgota e torna em best sellers tudo o que diga respeito a estes dias de Abril de 1945. Em bom rigor, sabe-se muito, e o que não se sabe dificilmente se irá saber. Não é sequer o mistério das versões contraditórias sobre os momentos finais de Hitler que explicam, nos dias de hoje, o interesse pelo fim do Reich. É o pathos da personagem Hitler e da sua corte final, e a tentativa de explicação de algo muito difícil de explicar: a pulsão destrutiva, o Gotterdamerung macabro desses dias. Pode também ser que procuremos encontrar uma racionalidade para algo intrinsecamente irracional e inexplicável, e o nosso fascínio seja afinal o traço de uma recusa psicológica face ao que não tem explicação, ao que de todo não controlamos.

O livro de Joachim Fest é magnífico porque combina uma descrição narrativa depurada dos últimos dias do bunker , incluindo o que se sabe das fontes soviéticas entretanto tornadas disponíveis, com uma interpretação sobre Hitler e os seus companheiros dos últimos dias, em particular Goebbels. A sua tese - Hitler nunca "construiu", só destruiu, era movido por uma vontade de destruição que nos últimos dias da guerra se voltou também contra os alemães - salienta a singularidade da personagem. Sem Hitler tudo seria diferente, mas Hitler é uma excepção histórica, nunca quis deixar qualquer "obra" que não fosse a terra queimada, onde povos e nações sucumbiram. Pouco a pouco, a força da sua personalidade, a sua vontade inquebrável, seleccionou uns poucos seguidores que espelhavam a mesma vontade de destruir, hipnotizou muitos outros numa obediência cega, e depois, pela corrupção do dinheiro e do poder, alargou essa base dos fanáticos para os oportunistas. Estes deixaram-no no fim , os outros acabaram com ele ou como ele. E não foi só Goebbels e a mulher, que se suicidaram depois de matarem os seis filhos, mas muitos outros oficiais das SS, motoristas, secretárias, que ficaram até ao fim, quase cem pessoas nos últimos dias de Abril.

Fest retrata bem essa comunidade alucinada, que tentou continuar a guerra até ao último berlinense, até ao último alemão, uma guerra já perdida. Uma das perplexidades nesta atitude é o seu carácter pouco "moderno", numa época em que as guerras terminam quase de forma burocrática, algo para que o regime nazi tinha também apetência. Veja-se Eichmann revisto por Hanna Arendt.

Mas não. Hitler queria levar tudo e todos consigo, num acto de imolação que incluía uma suprema vingança contra todos os que o tinham "traído", inclusive o povo alemão, e, de certo modo, contra si próprio, porque tinha mostrado "fraqueza", tinha-se enredado em compromissos a que agora atribuía a derrota.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Últimos comentários

  • André

    Gosto muito da sua posição. Também gosto de ami...

  • Maria

    Não. O Prof. Marcelo tem percorrido este tempo co...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, no meio da abundante desregulação ...

  • António Maria

    Completamente de acordo.Ontem tive vergonha de ser...

  • Fernando Ferreira

    Caríssimo João, «plus ça change, plus c'est la mêm...

Os livros

Sobre o autor

foto do autor